Educação infantil na Suíça

 

Aproveitamos nossa primeira consulta com um pediatra aqui na Suíça para conhecer um pouco mais sobre os costumes locais. A pediatra foi uma indicação de brasileiros que já moravam aqui na Suíça, ela é nascida no Brasil, filha de Suíços e mora aqui faz 40 anos, segue os costumes Suíços como base para a criação dos filhos e recomendações durante as consultas.

 

A ALIMENTAÇÃO INFANTIL NA SUÍÇA

Nós não falamos sobre a introdução alimentar, mas perguntamos sobre como funciona a alimentação do bebê na idade do Antonio, 2 anos. Antonio nunca comeu muito bem, já teve fases terríveis e fases mais fáceis, mas sempre comeu em pouca quantidade.

Oferecer todo tipo de alimento, sempre. 

Ela foi enfática, o papel da mãe é apenas oferecer variados tipos de comida, o mais saudável possível. Se a criança irá comer ou não, isso ela quem irá decidir. Jamais forçar, insistir ou chantagear, comeu..comeu, se não comeu… come depois! Ao forçar a criança a comer, podemos criar um trauma que trará resultados futuros na vida da criança, então, obrigar a comer, nunquinha! Nenhuma criança morre de fome (palavras dela).

A criança deve comer o mesmo que os adultos.

Não fazer um segundo tipo de comida caso a criança recuse a primeira, ela precisa aprender a comer o que todos estão comendo, caso não queira, fica sem comer. (Isso eu faço, se ele recusa a comida, corro e faço macarrão. Se recusa o macarrão… ofereço queijo e frutas… Tô toda errada! rss)

Não se desesperar.

Não é porque uma criança não come na infância, que não comerá quando maior e vice-versa, então se martirizar por tudo é apenas exaustivo. Ela frisou a importância de comer variadas fontes de vitaminas durante o dia, mesmo que a criança coma só um pouquinho a cada três horas, de pouquinho em pouquinho, ela consumirá o que o corpo necessita.

Ou seja, vamos nos acalmar que ficar loucas porque o filho não come, não resolverá nada! rss

 

MEDICAÇÃO E TRATAMENTOS INFANTIS NA SUÍÇA

Nós estamos vindo de uma realidade bem diferente da realidade brasileira que é a Inglaterra, e por isso não estranhamos muito os costumes Suíços.

Aqui o costume geral é deixar o corpo agir contra a “doença” e não ir medicando logo de cara, antibióticos são receitados somente em ultimo caso e após outras tantas tentativas de cura. Exames de sangue também não são feitos com a frequência com que fazemos no Brasil, eles só são feitos quando existe alguma suspeita de doenças mais serias. Remédios homeopáticos são os preferidos nos tratamentos infantis.

 

A EDUCAÇÃO DAS CRIANÇAS SUÍÇAS

Esse foi nosso principal assunto na consulta, Antonio está em uma fase bem “complicadinha” de comportamento e por isso eu foquei nesse assunto. Quando descrevi os comportamentos do Antonio, a pediatra logo confirmou que se trata da tão temida fase dos dois anos, nomeada “Terrible Two.

Dicas para o Terrible Two.

Cada criança reage de uma forma nessa fase. Algumas crianças se jogam no chão, fazem birra, se tornam muito violentos, choram por tudo e tantas outras formas de se fazerem notar.

Antonio está me desobedecendo, me batendo e gritando bastante, eu já imaginava ser por conta da fase, mas não sabia como agir na hora da crise.

Então a Dra. me explicou como são os costumes por aqui, o que fazem para minimizar as crises.

 

  • Primeiro de tudo, deixar muito claro que o que a criança está fazendo é errado e te deixa muito triste.
  • Abaixar na altura da criança e falar um “não faça isso” bem firme e olhando nos olhos.
  • Caso ela bata em você, segure a mão dele bem firme e diga que aquilo não pode se repetir.
  • Ignorar as crises ou tentar focar em outro assunto, deixe a criança ali e vá para outro comodo da casa, finja não estar vendo. Ou então mostre um passarinho, um desenho… algo que chame a atenção da criança e a faça esquecer do episodio.
  • Em casos extremos, onde nada resolve, o cantinho do pensamento pode ajudar. Quando a criança estiver em meio a crise, você a leva para o cantinho (que pode ser uma cadeira no cantinho da sala, um outro cômodo da casa onde ele possa ficar quietinho) e diz que quando ele se acalmar, pode sair dali. Nesse caso, todas as vezes que a criança sair do cantinho sem ter se acalmado, você precisará leva-la de volta e repetir a regra, “quando você se acalmar, pode sair do cantinho”. (Não use a cama, berço ou quarto do bebê como cantinho do pensamento, use um lugar neutro, que seja indiferente para a criança).
  • Não grite (Difícilllllll p mim)
  • Não bata.
  • E por fim, não perca o controle. Ele está te testando e vendo até onde ele pode chegar, esse é o momento de ensinar limites para a criança, ensinar que ele precisa respeitar. Tenha calma que em breve isso passa. (essa é a mais difícil p mim… ter calma nessas horas e não saber quanto tempo ainda vai durar!)

 

Ela me explicou que aqui é muito comum a rigidez na crianção das crianças, o cantinho do pensamento (castigo) é muito usado para impor limites, fazer a criança entender que está errada e precisa se acalmar.

 

E agora, será que dou conta? rss Me contem se alguma das dicas Suíças funcionarem por ai.

 

beijos

Dani.

 

 

COMENTÁRIOS