Educação infantil na Suíça

Tipo de viagem
    Clima

       

      Aproveitamos nossa primeira consulta com um pediatra aqui na Suíça para conhecer um pouco mais sobre os costumes locais. A pediatra foi uma indicação de brasileiros que já moravam aqui na Suíça, ela é nascida no Brasil, filha de Suíços e mora aqui faz 40 anos, segue os costumes Suíços como base para a criação dos filhos e recomendações durante as consultas.

       

      A ALIMENTAÇÃO INFANTIL NA SUÍÇA

      Nós não falamos sobre a introdução alimentar, mas perguntamos sobre como funciona a alimentação do bebê na idade do Antonio, 2 anos. Antonio nunca comeu muito bem, já teve fases terríveis e fases mais fáceis, mas sempre comeu em pouca quantidade.

      Oferecer todo tipo de alimento, sempre. 

      Ela foi enfática, o papel da mãe é apenas oferecer variados tipos de comida, o mais saudável possível. Se a criança irá comer ou não, isso ela quem irá decidir. Jamais forçar, insistir ou chantagear, comeu..comeu, se não comeu… come depois! Ao forçar a criança a comer, podemos criar um trauma que trará resultados futuros na vida da criança, então, obrigar a comer, nunquinha! Nenhuma criança morre de fome (palavras dela).

      A criança deve comer o mesmo que os adultos.

      Não fazer um segundo tipo de comida caso a criança recuse a primeira, ela precisa aprender a comer o que todos estão comendo, caso não queira, fica sem comer. (Isso eu faço, se ele recusa a comida, corro e faço macarrão. Se recusa o macarrão… ofereço queijo e frutas… Tô toda errada! rss)

      Não se desesperar.

      Não é porque uma criança não come na infância, que não comerá quando maior e vice-versa, então se martirizar por tudo é apenas exaustivo. Ela frisou a importância de comer variadas fontes de vitaminas durante o dia, mesmo que a criança coma só um pouquinho a cada três horas, de pouquinho em pouquinho, ela consumirá o que o corpo necessita.

      Ou seja, vamos nos acalmar que ficar loucas porque o filho não come, não resolverá nada! rss

       

      MEDICAÇÃO E TRATAMENTOS INFANTIS NA SUÍÇA

      Nós estamos vindo de uma realidade bem diferente da realidade brasileira que é a Inglaterra, e por isso não estranhamos muito os costumes Suíços.

      Aqui o costume geral é deixar o corpo agir contra a “doença” e não ir medicando logo de cara, antibióticos são receitados somente em ultimo caso e após outras tantas tentativas de cura. Exames de sangue também não são feitos com a frequência com que fazemos no Brasil, eles só são feitos quando existe alguma suspeita de doenças mais serias. Remédios homeopáticos são os preferidos nos tratamentos infantis.

       

      A EDUCAÇÃO DAS CRIANÇAS SUÍÇAS

      Esse foi nosso principal assunto na consulta, Antonio está em uma fase bem “complicadinha” de comportamento e por isso eu foquei nesse assunto. Quando descrevi os comportamentos do Antonio, a pediatra logo confirmou que se trata da tão temida fase dos dois anos, nomeada “Terrible Two.

      Dicas para o Terrible Two.

      Cada criança reage de uma forma nessa fase. Algumas crianças se jogam no chão, fazem birra, se tornam muito violentos, choram por tudo e tantas outras formas de se fazerem notar.

      Antonio está me desobedecendo, me batendo e gritando bastante, eu já imaginava ser por conta da fase, mas não sabia como agir na hora da crise.

      Então a Dra. me explicou como são os costumes por aqui, o que fazem para minimizar as crises.

       

      • Primeiro de tudo, deixar muito claro que o que a criança está fazendo é errado e te deixa muito triste.
      • Abaixar na altura da criança e falar um “não faça isso” bem firme e olhando nos olhos.
      • Caso ela bata em você, segure a mão dele bem firme e diga que aquilo não pode se repetir.
      • Ignorar as crises ou tentar focar em outro assunto, deixe a criança ali e vá para outro comodo da casa, finja não estar vendo. Ou então mostre um passarinho, um desenho… algo que chame a atenção da criança e a faça esquecer do episodio.
      • Em casos extremos, onde nada resolve, o cantinho do pensamento pode ajudar. Quando a criança estiver em meio a crise, você a leva para o cantinho (que pode ser uma cadeira no cantinho da sala, um outro cômodo da casa onde ele possa ficar quietinho) e diz que quando ele se acalmar, pode sair dali. Nesse caso, todas as vezes que a criança sair do cantinho sem ter se acalmado, você precisará leva-la de volta e repetir a regra, “quando você se acalmar, pode sair do cantinho”. (Não use a cama, berço ou quarto do bebê como cantinho do pensamento, use um lugar neutro, que seja indiferente para a criança).
      • Não grite (Difícilllllll p mim)
      • Não bata.
      • E por fim, não perca o controle. Ele está te testando e vendo até onde ele pode chegar, esse é o momento de ensinar limites para a criança, ensinar que ele precisa respeitar. Tenha calma que em breve isso passa. (essa é a mais difícil p mim… ter calma nessas horas e não saber quanto tempo ainda vai durar!)

       

      Ela me explicou que aqui é muito comum a rigidez na crianção das crianças, o cantinho do pensamento (castigo) é muito usado para impor limites, fazer a criança entender que está errada e precisa se acalmar.

       

      E agora, será que dou conta? rss Me contem se alguma das dicas Suíças funcionarem por ai.

       

      beijos

      Dani.

       

       

      COMENTÁRIOS
      COMENTÁRIOS

      9 comentários em “Educação infantil na Suíça

      1. Marina Pasotti de Assis Cruz on

        Oi Dani!!!
        Moro no Brasil interior do estado de sp! Sigo vc desde que estava grávida!!!
        Tbm estamos passando pelo terrible two por aqui!
        Meu pequeno ~ Caio ~ faz dois dia 1/12….
        Menina… o q q eh isso!!!
        Idêntico!! Tdo q vc descreveu!!!
        Achei otimas todas as dicas! Principalmente do canto do pensamento!!!! Vou colocar em pratica!!!
        Obrigada viu?!
        Bjs

        Responder
      2. Cristyane Emídio on

        Daniii…só agora me atentei em passar aqui ! Mas já amei! Vou ler sempre! Amei a dicas da pediatra qnto a educação…impor limites, concordo com tudoooo desse post, e tentarei aplicar qndo chegar minha hora . Qnto a não gritar …aí…isso já é difícil p mim. Benjamin, quase aos 8 meses, é um bebê extremamente curioso, já percebo o quanto sua personalidade é forte, e já me tira a paciência as vezes! Como pode ser tão difícil e maravilhoso ao mesmo tempo?!
        Bjosss

        Responder
      3. Simone R. R on

        Aí Dani o Antônio e o Davi tem um mês de diferença, estou sofrendo muito com essa fase. Nunca imaginei que o Terrible Two fosse uma fase tão difícil. O Davi faz escândalos horríveis na rua de ficar mas de meia hora gritando e tentando me bater. Tomara que passe logo, porque muitas vezes perco a paciência e acabo gritando com ele. Vou tentar essas dicas com o Davi. Bjs, obrigada por compartilhar essas dicas tão importantes.

        Responder
      4. Anna on

        Minha filha nasceu em Lausanne, e a introdução alimentar dela foi diferente da brasileira. O médico frisou a importância de introduzir primeiro o salgado, os legumes.. e só depois a papinha doce, frutas. Ele disse que o doce a criança aceita com mais facilidade e dai depois poderia rejeitar o salgado.
        Deu certo, pois minha filha aceitou tuuuuudo que dei. Achei interessante isso.

        Quanto ao terrible two aqui em casa funcionou muito bem o cantinho do pensamento, mas demorou p ela entender que era uma coisa séria. O que mais funcionou foi contar de 1 a 3, se chegasse no 3 ele ficaria sem fazer algo que gosta, ou brinquedo ou iria p cantinho. Sei que quando eu chegava no 2 ela parava de chorar na hora ou parava a birra hahahaha engraçado, mas funcionou.

        Responder
      5. Cristiane on

        Gente socorro, o meu faz 2 em dezembro. Está muito agressivo, mordendo muito. Não sei mais o que fazer! Já tentei vários métodos mais sem sucesso… será que já pode ser o terrible two?

        Responder
      6. Daiane on

        Eu já meio que seguia essas dicas, sem nem saber q faziam parte da linha da raciocínio suíço! Enfim, tenho uma baita dificuldade em não gritar, meu maior defeito na criação dos meus filhos (3 meninos). Essas dicas do terrible two, funcionaram bastante com o de 4 anos aqui!
        E em relação a alimentação o mais velho me deixa de cabelo em pé, aos 9 anos de vida, nunca se alimentou muito bem, e só vem piorando! Eu me desequilibro, grito, ameaço, faço recompensa caso coma e outros. Peço a Deus pra remover qualquer trauma q eu já tenha causado a ele referente a alimentação! Mas não sei mais q caminho seguir

        Responder
      7. Adriana on

        Gostei das dicas! Obrigada por compartilhar! O meu também está na fase do “ruim para comer” e das hortas e gritos…rs! Vou tentar não surtar!! Kkkkkkk

        Responder

      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *