Expatriados para Londres – a viagem até nosso novo país

 

A chegada ao aeroporto para o embarque

Ficamos de entregar nosso carro à pessoa que comprou no aeroporto e assim foi! Ao chegar lá, nós 3 (eu, meu marido e o Antonio) em nosso carro junto com um monte de malas e um táxi com o restante da bagagem, encontramos o comprador do carro.

Acho que até esse minuto, ainda estávamos desacreditados dessa mudança, só pode!

O carro estava repleto de coisas nossas, cheio de CDs, documentos, papéis, brinquedos, base da cadeirinha e uma bendita bolsa do ladrão (risos). Só estou contando isso porque foi aí que começou nosso sufoco: como guardar tudo isso em malas que já estão explodindo? E pior, em 5 minutos, já que estávamos parados naquele lugar de embarque e desembarque, o taxista queria seu dinheiro e ir embora, e o novo dono do carro queria pegar o carro e sumir dali, da frente daqueles dois loucos com um bebê e 9 malas.

Nos olhávamos, cheios de coisas na mão, Antonio chorando e mala para todo lado na calçada. Ai que arrependimento! Hoje eu deixaria metade das coisas, mas, enfim…

Contratamos aqueles caras que carregam a mala até o check in, pois o papai não daria conta de tudo aquilo sozinho nunca. Lá se vai uma tanto de dinheiro, o cara deve ter andado uns 100 metros com as malas e cobra um absurdo!

Bom, conseguimos chegar à fila do check in, que não tinha preferencial, como pode? Tudo bem! Enquanto fiquei na fila com o Antonio, papai tentava enfiar as coisas que tiramos do carro dentro das malas. Um terror! Abriu umas 5 malas, tirava de uma e colocava na outra, apertava daqui, sentava em cima da outra. Uffa! Conseguiu fechar tudo. A fila inteira nos olhando com caras do tipo: “meu Deus, onde esses loucos pensam que vão?” E eu fingia que não tava vendo a cara que estavam fazendo e meu marido, tadinho, todo suado, nervoso e tentando organizar tudo.

 

Check in

Chegou nossa vez no balcão, documentos e passagens: ok! “Senhor, pode começar a colocar as malas na esteira para pesagem”. E assim foram colocadas até que: “Senhor, não é permitido entrada de bagagens acima de 32 quilos na Inglaterra e não é possível pagar excesso, se for acima, a mala volta”. Oi? Como assim? Como ninguém nos disse isso? Como não lemos isso em nenhum lugar?

Quase chorei! Lá vai o papai abrir as malas novamente, tentando distribuir todos os pesos, para que nenhuma passasse do limite. Estávamos preparados para pagar excesso, por isso não nos preocupamos com os quilos extras. Nessa hora nos sentimos um cocô: o povo é craque em ficar olhando com cara feia (estávamos bloqueando um guichê) e ficar bufando. Ninguém nunca se põe no lugar do outro. Triste isso! Papai deu um jeito, sozinho, de organizar as malas. Finalizamos o check in e fomos direto para o embarque.

Quando estávamos passando na alfândega, meus Deus, esquecemos de trocar o dinheiro! Gente, sério! Quase chorei de novo. Deixamos toda nossa economia para trocar no aeroporto, liguei antes, confirmei a quantia, as taxas, valor da Libra, porém, esquecemos de passar lá. Não dava mais para voltar, ela já tinha feito o registro dos passaportes e nem teríamos condições físicas de andar 3 terminais enormes do aeroporto atrás da casa de câmbio.

Dentro da sala de embarque havia uma casa de câmbio, com paredes douradas e meninas lindas, que te tratavam feito rainha, para atender. Dá pra imaginar o valor do câmbio nesse lugar, né? Eles não tinham concorrentes e sabiam que não poderíamos sair da sala para trocar em outro lugar! Ódioooo! Lá se foi mais dinheiro pelo ralo.

 

Embarque

Para resumir, depois desse sufoco todo, entramos na sala de espera, que não tinha trocador, de novo. Gente, como pode?

Mudança para Londres

 

Comemos em 30 (trinta) minutos, trocamos de roupa, pois fomos para o aeroporto direto da estrada e, finalmente, embarcamos!

Antonio começou a chorar logo que entramos no avião. Sabe o povo que fez cara feia na fila do check in? Lá estavam eles, fazendo cara feia de novo. Como pode? Certeza que não tinham filhos!

Fiquei com Antonio no colo e em pé até o embarque terminar. Graças a Deus, ele dormiu na decolagem e não acordou mais (só para mamar e voltava a dormir). Nem acreditei! Era muito bom para um dia tão turbulento como aquele.

No desembarque um casal fez uma “brincadeirinha”: Nossa! Achamos que ele ia chorar à noite toda. Que bom que ele dormiu” e riram. Ha ha ha, não achei graça nenhuma! Tomara que um dia eles tenham um filho também. : )

 

viagem de avião com bebê

Berço avião para bebê

Mudança para Londres

 

Desembarque

Saímos do avião e Londres tem um dos maiores aeroportos do mundo. Imagina: eu com o Antonio no colo, mais a bolsa dele. Papai com mais umas 3 mochilas, bolsa do notebook e uma mala de rodinhas atravessando um aeroporto, sei lá, uns 2 (dois) quilômetros? Pareciam uns 5 (cinco)! Não tinha carrinho para carregar as malas, então, tinha que ser na garra mesmo!

Chegando na esteira das bagagens, pegamos nossas malas e fomos ao encontro do táxi que nos esperava, mas, chegando lá, ninguém nos esperava!

Mudança para Londres

Mudança para Londres

 

 

Estávamos sem celular, sem o nome do taxista, sem saber como funcionavam os táxis aqui e cheios de mala!

Rodolfo, meu marido, conseguiu emprestar o celular de um segurança do aeroporto (penseeeeem) e ligou pra um táxi qualquer, pedindo uma van porque estávamos com muita bagagem. De repente chega um indiano, com uma placa escrito Rhudolpho. Não tinha mais ninguém saindo no desembarque, chamei o Rodolfo e falei: só pode ser você, vai lá ver. Era o taxista atrasado que ficou de nos buscar. Uffa!! Que ótimo, não vamos precisar esperar o outro, mas quando o taxista chegou perto das nossas bagagens, ele ficou roxo, pois ele estava com um carro pequeno e não caberia se quer o carrinho do Antonio! Jesussss que provação é essa? Ok! Vamos esperar 1 hora até o outro táxi chegar.

O indiano ainda fez a gente pagar o estacionamento dele, acreditam?

Mudança para Londres

 

Nossa Van linda chegou, com um taxista super alegre que nos deu várias dicas sobre o país e cidades para morar, pela simples bagatela de 110 libras. Primeiro aprendizado chegando em Londres, andar de táxi é caro, bem caro!

No próximo post conto sobre a nossa chegada ao apartamento temporário e a primeira impressão da cidade!

Uffa que nesse até eu fiquei com dó da gente! Kkkkkk.

 

Beijos.

Dani

ps. Esse post foi escrito para o Blog Etc e Mãe e faz parte do quadro “Antonio em Londres”.

COMENTÁRIOS